quarta-feira, 5 de abril de 2017

Meditação na infância






E se eu te dissesse que a chave para a excelência humana está escondida dentro de nós mesmos. Que todas as respostas para as nossas inúmeras questões estão no lugar mais obvio e menos procurado nos dias de hoje. Temos um imenso oásis dentro de nossos corações e sabemos bem pouco do poder que possuímos. O mundo está num processo de aceleração constante, mais estímulos, mais atividades, mais tarefas, mais e mais e mais.

A prática de meditação é um tesouro muito poderoso, que pode ser aprendido desde a tenra infância e eu a considero extremamente importante na atualidade. Essa prática milenar é tanto simples quanto profunda. Envolve, acima de tudo, aprendizado, o desenvolvimento de uma consciência de si mesmo, dos outros e do mundo.

A meditação é como se fosse uma semente, que sempre esteve ali mas precisa ser desenvolvida e aprofundada através da prática. Precisamos rega-la para assim florescer e frutificar. Tudo começa com a atenção e com o estar presente.

As crianças são naturalmente focadas, vivem no momento presente e não se preocupam com o passado ou o futuro. O que devemos fazer, é não enterrar essa qualidade de abertura e conexão, mas incentivá-las para que continue se desenvolvendo. Incentivá-las a permanecer nesse fluxo inteligente e divino. Aos poucos vamos nos desligando dessa consciência maior e vamos nos tornando autom áticos.

Exercícios simples e lúdicos, podem ajudar crianças a desenvolver e incentivar comportamentos como a bondade, compaixão e empatia. Aprender a lidar com as emoções, se torna semelhante a aprender a afinar um instrumento antes de aprender a tocá-lo. Vamos ensinar as nossas crianças que nossas emoções e reações podem ser afinadas, como num violão ou violino. Que existe uma melodia divina que nos ensina a viver melhor e que nos torna seres humanos mais preparados para enfrentar os altos e baixos da vida.

Explique para ela prestar atenção na sua própria respiração. Antes da meditação, você pode colocar uma música mais calma, um mantra, contar uma história ou até fazer uma oração junto com ela. O importante é que esse momento seja de vocês e que estejam o mais presente possível.
Dessa forma, a criança vai criando uma liberdade com o divino dentro dela e com sua própria espiritualidade. Tente fazer com frequência. Pode ser cinco ou dez minutos. Só não pode ser um momento entediante para a criança. Ela precisa gostar e se sentir feliz ao praticar.
Que todos os seres sejam felizes e unidos.

Namastê