sexta-feira, 30 de julho de 2010

Momentos na Natureza


O blog ficará em silêncio por alguns dias.
Vou sair de férias rumo a natureza, para momentos de reflexão, meditação,
práticas de Yoga, leituras e muito mais...

Paz & Amor!
Om Shanti!

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Contos da India:.O Segredo


Dizia-se que o sábio tinha o segredo da felicidade e que o guardava cuidadosamente em um cofre.
O rei mandou chamá-lo e lhe ofereceu muito dinheiro pelo cofre, mas o sábio simplesmente recusou a oferta, dizendo que era algo que o dinheiro não podia comprar.

Um dia, uma criança se apresentou diante do sábio.

- Sábio, por favor, ensine-me o segredo da felicidade.

Movido pela pureza e inocência da criança, o sábio lhe disse:
Preste muita atenção. A primeira coisa que você deve fazer é amar-se e respeitar-se e dizer a si mesmo todos os dias que você pode vencer todos os obstáculos que se apresentarem na sua vida. Isso se chama autoestima. A segunda que deve fazer é pôr em prática o que você diz e o que pensa. A terceira, é jamais invejar alguém pelo que ele tem ou é. Eles já alcançaram as suas metas, agora alcance as suas. A quarta, é jamais guardar rancor de ninguém no seu coração. A quinta, é não se apoderar do que não é seu. A sexta, é jamais maltratar alguém; todos os seres têm o direito de ser respeitados e queridos. E a última coisa que você deve fazer é acordar todos os dias com um sorriso e descobrir em todas as pessoas e em todas as coisas o seu lado positivo. Pense na sorte que você tem. Ajude a todos sem pensar no que poderá obter em troca e passe adiante o segredo da felicidade.

Imagem:Flickr

domingo, 25 de julho de 2010

Happy Guru Purnima!


Happy Guru Purnima!

Hoje é dia do guru, mestre.

Então eu agradeço à todos os meus mestres e professores, todos os Budas e divindades,
minha família maravilhosa e meus queridos amigos
que me ensinam a ser uma pessoa melhor a cada dia e ao meu mestre interior!

Jaya Guru!
Namastê!

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Cave In the Snow


Sabe aquele livro que você não consegue parar de ler um segundo e fica triste quando chega no final?
Pois é, fiquei assim ao ler a maravilhosa trajetória de vida da monja budista Tenzin Palmo.
Uma biografia inesquecível, que te faz refletir sobre vários aspectos da vida.
Não perca!

Abaixo está uma ótima resenha do livro, que expressa o que eu senti ao ler essa linda jornada.
Texto originalmente publicado aqui.




***

Falar sobre longos retiros geralmente causa uns calafrios não é mesmo? Imagina deixar o conforto da sua casa, desfazer os laços (físicos) familiares, abrir mão de todo o vasto leque de distrações disponíveis e de todo o sistema social e psicológico em que crescemos em troca de ficar consigo mesmo, convivendo, conhecendo e se aprofundando na própria mente e seu vasto potencial durante mais de uma década em uma caverna pedregosa na India. Não é pra qualquer um, né? E não é mesmo.

Existem muitas boas lições na biografia da monja budista Tenzin Palmo, mas o fato de ser especificamente ela a protagonista de sua história é uma das mais importantes. Calma que eu já explico. Palmo nasceu Diane Perry no East London em 1943 e cresceu em uma família humilde, porém feliz, que se estruturou ao redor da figura materna após a morte do pai. Até os 20 anos, viveu uma vida “normal”. Brincou, estudou, namorou, dançou na swinging london, mas o bichinho da curiosidade espiritual a corroeu desde pequena. Buscou alimento para o bichinho em diversas religiões, mas a ficha caiu mesmo quando ela encontrou os primeiros e escassos ensinamentos budistas disponíveis no Ocidente através de alguns livros e conexões com intelectuais interessados no Tibet. A partir daí, uma peça começou lentamente a encaixar na outra: Diane conheceu os primeiros lamas budistas a aportarem na Inglaterra, se mandou pra India, quase casou na viagem de barco, se instalou em uma escola fundada por uma inglesa, deu aulas de inglês para lamas e finalmente encontrou o professor que a guiaria uma boa parte da vida.

A sede por realizar o potencial mais perfeito de sua mente a lançou numa busca constante por conhecimento e espaço para praticar o conhecimento adquirido. Para unir os dois, pediu ordenação de monja e, depois de alguns anos de estudo e serviços para a comunidade monástica local, partiu para meditar em uma caverna nos himalaias indianos. Desencorajada por muitos colegas (que julgavam uma mulher ocidental incapaz da empreitada) porém apoiada por seu professor, a agora monja Tenzin Palmo concentrou sua energia em uma série de retiros fechados nos quais ficava até oito meses sem ver ninguém (nem mesmo o sol no duríssimo inverno dos Himalaias). Na etapa final de sua trajetória de retirante, Palmo completou três anos em total isolamento até ser despejada da India por problemas legais com seu visto.

A volta à vida em sociedade, entretanto, não foi um fardo. Pelo contrário, a monja abraçou o novo capítulo em sua vida, colocando sua experiência a serviço de causas interessantes. Por um lado, Palmo passou a militar ativamente no meio religioso pelo reconhecimento dos direitos e das nuances femininas dentro das comunidades espirituais, geralmente organizações mais masculinas e de contornos patriarcais. Em outro âmbito, menos político e mais prático, viajou o mundo levantando fundos para a construção de um mosteiro para monjas tivessem condições de receber os ensinamentos completos, algo negado a muitas mulheres em determinadas tradições budistas.

Contada assim, rapidamente, a história de Tenzin Palmo tem sementes de fantasia. Tipo…. mulher-ocidental-larga-tudo-e-vai-viver-o-misticismo-oriental-na-caverna. Porém, Cave in The Snow dificilmente passa como conto da carochinha. A ida de Tenzin Palmo para a India não foi uma fuga repentina de alguém estressado com seu cotidiano ou a tentativa de realização de uma idéia juvenil. Foi, isso sim, uma peça no lego particular de uma menina desde cedo bastante encucada com os mistérios não exatos do universo. Quando ela falou para sua mãe que estava pensando em ir à India buscar ensinamentos, não recebeu olhares de espanto ou reprimendas, mas uma simples pergunta: “Quando você vai?”. A dona de casa de Bethnal Green conhecia bem a filha e sempre apoiou sua busca.

Esses e muitos outros detalhes tornam Cave In The Snow uma leitura interessante mesmo pra quem não sente nenhuma vontadezinha de ter um envolvimento tão intenso com a prática espiritual. Ao contrário do que poderia ser, o livro é dedicado a desmistificar os anos na caverna. Eles recheiam o livro mas não são de forma alguma o único fator de reflexão. Página após página, um paradoxo se constrói: por mais particular que seja a história de Tenzin Palmo, ela também é temperada fortemente com o viés das questões humanas universais: insegurança acerca de nossa identidade, medo da morte, a necessidade de recursos financeiros pra viver, amores não correspondidos, relações complicadas, as diferenças entre o mundo masculino e feminino, e a velha pergunta… no que vale a pena investir tempo da sua vida?

Para Tenzin Palmo, encontrar a resposta passava por ficar um bom tempo em retiro. Ela nunca teve dúvidas disso. Não sofreu com o isolamento. Encontrou sua vocação. Mas depois, ao precisar fazer uma difícil escolha, se viu de volta ao mundo cotidiano, viajando em turnês mundiais, dando ensinamentos e buscando fundos para a construção de um mosteiro. Dividindo o que descobriu na caverna.

Talvez cada um de nós tenha uma caverna nos esperando. Para alguns ela pode até estar nos Himalaias. Para outros, ela pode significar simplesmente algumas horas sem banda larga. Ainda há os que vão encontrar sua caverna ao se retirar de situações de isolamento e ao engajar-se em uma atividade. Quem sabe? A autora do livro e jornalista Vicky Mackenzie delega ao leitor, com a ajuda de livros inspiradores como esse, encontrar os paralelos e descobrir o seu caminho.

:.Texto de Gustavo Mini

This is the best moment of your life


"Life is available only in the present moment.'
This is a simple teaching of the Buddha, but very deep.

If someone asked you, Has the best moment of your life arrived yet?

Many of you would probably say that the best moment of your life has not yet come.

We all have a tendency to believe that the best moment of our lives

has not yet come, but that it will come very soon.
But if we continue to live in the same way, waiting for the best moment to arrive,
then the best moment will never arrive.

You can open your eyes, you can see the sunshine,
the wonderful vegetation,
your friends and relatives around you.

This is the best moment of your life."


-Thich Nhat Hanh

terça-feira, 20 de julho de 2010

Be A Hummingbird!




Always do your BEST!

Namaste!

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Experimente o Silêncio


Por que não tirar um domingo, ou uma tarde, para estar sozinho
em sua própria companhia, perceber-se e conhecer-se melhor,
experimentando a graça e a alegria inexplicáveis que residem no Nobre Silêncio?

Passe este tempo em sua casa, no seu jardim, na praia, no parque,
sem televisão ou internet, sem falar ao telefone,
sem ler livros ou revistas, sem falar com ninguém.
Fique sozinho na natureza, em comunhão consigo mesmo.

Apenas seja. E desfrute desse vazio luminoso!


  • Pare
  • Fique quieto
  • Permaneça em silêncio
  • Os meditadores devem ser vistos, mas não ouvidos
  • Aquiete corpo e alma
  • Todos os sentidos
  • Solte tudo
  • Deixe que tudo venha a você
  • Relaxe
  • Tente Ser
  • E não Fazer
  • Não faça nada
  • Respire
  • O silêncio é de ouro
  • Aproveite

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Yoga Pela Paz 2010


E o Yoga pela Paz desse ano está chegando!
Muita coisa boa, presença de grandes profissionais do Yoga & Ayurveda,
II Congresso Internacional de Yoga & Ayurveda, aulas diversas, palestras e meditações
e no domingo o show imperdível que junta os gigantes Krishna Das e Jai Uttal
em apresentação inédita!

Não dá pra perder né?
Anota aí, acontece entre os dias 11 e 15 de agosto.
Entre no site para inscrições e mais informações.

E pra quem não conhece o músico Jai Uttal,
que estará pela primeira vez no Brasil
postei um vídeo e uma entrevista, originalmente publicada no blog do YPP.

Namastê!

O músico Jai Uttal conduz kirtans pelo mundo há mais de trinta anos.

“Esses cantos ancestrais contêm um poder de transformação, podemos acessar uma fonte de consciência e devoção que flui há séculos”, esclarece Jai.

Presença confirmada no Yoga pela Paz de 2010, Jai conta um pouco mais sobre essa prática.

1. Como a repetição de mantras pode modificar nosso estado emocional?

Essas palavras e frases ancestrais abrem nossas portas internas de transformação e conexão com o divino. Quando cantamos, nossas emoções - que são normalmente restringidas - conectam-se com a energia divina e passam a fluir como um vasto rio.

2. Como este canto afeta nosso ser?

Quando nossas emoções são libertadas e nossas mentes se aquietam com a prática de repetição, abrimos espaço para transformações e cura.

3. Como essa prática contribui para a paz?

Conforme nutrimos nossa própria paz interna e nossas ações passam a refletir isso, pouco a pouco ajudamos a criar um mundo pacífico ao nosso redor.



quinta-feira, 15 de julho de 2010

Train Your Eyes To See The Bright Side Of Everything


I'm always inspired by the words and wisdom of Swami Satchidananda.
This is so true...


Think well, you will be well. Think ill, you will be ill. It's all your thought.
Sometimes you might not be thinking ill of yourself, but you are thinking ill of others.
That is still thinking ill. Whether it is about you or somebody else, that is what you are thinking.
When you think of that, you will become that.
That is why we say, "See no evil, hear no evil, speak no evil.
" If you see evil, hear evil, speak evil, you will become evil.
It's not to save others that you are asked not to think ill, not to speak ill.
You will not be hurting them, but you will be hurting yourself.
In our lives we should always think well.
Train your eyes to see the bright side of everything.


Om Shanti, Shanti, Shanti

Imagem:.Tipu Kibria

terça-feira, 13 de julho de 2010

Inspiração:.Receitas de Rita

Faz bastante tempo que acompanho o delicioso blog da Rita Taraborelli.
Lá ela ensina receitas e mais receitas vegetarianas incríveis e fáceis de fazer em casa e aproveita para nos presentear com as suas ilustrações super divertidas.
Ela que além de chef é praticante de Ashtanga Yoga, escreve todo mês para a revista Bons Fluídos.

Então não perca essa e outras delícias que ela coloca no blog!
Corre lá e anote no seu caderninho de receitas.



Ilustração:.Rita Taraborelli


Hamburguer de milho ao curry


Corn hamburguer *(vegan and Gluten free)
Recipe/receita
- 5 espigas de milho/ corns
- 1 cebola picada/ chopped onion
- 1 dedo de moça picadinha/chopped red pepper
- 200 ml leite de coco
- Garam Masala ou qualquer Curry
-Canela/cinnamon
- Manjericão fresco/fresh basil
- Ciboulette
- Fubá/Cornmeal
- Sal/ Salt
- Óleo

Preparo: 1.Debulhar o milho e cozinhar no vapor.
2. Bater metade do milho com o leite.
3. Misturar demais temperos e por último o fubá para "ligar".
4. Moldar e fritar em pouca gordura, servir com salsa de tomate!

How: 1. Cook the corn and process half with the coconut milk.
2.Mix with the spices and finish adding cornmeal to "glue" the ingredients.
3. Mold like hamburguers and fry in little oil both sides, serve with tomato salsa.
Sugestão de acompanhamento: Arroz integral e saladinha.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Pensamento do dia


People have this idea that Enlightenment and realisation is something in a distance -

a very fantastic and magnificent happening which will transform everything once and for always.

But it's not like that at all.
It's something which is so simple you hardly see it.
It's right in front of us, so close we don't notice it.
And it's something which can happen at any moment.
And the moment we see it, there it is.
It's been there all the time, but we've had our inner eye closed.
When the moments of awareness all link up - we become a Buddha.

~Tenzin Palmo



quarta-feira, 7 de julho de 2010

Himalaya:. A Film by Eric Valli


Estou até agora em êxtase após ter visto o filme Himalaya.
Um filme antigo (2000) produzido e dirigido pelo francês Eric Valli,
e que concorreu ao Oscar de melhor filme estrangeiro do ano.
As paisagens são incríveis, a fotografia de tirar o fôlego,
uma das trilhas sonoras mais lindas que já ouvi
e uma história (verídica) fantástica sobre perseverança, superação
e coragem tendo as montanhas do Himalaya de pano de fundo.

Simplesmente imperdível.

E se você alugar o filme não deixe de ver o making of.
A equipe de filmagem passou 9 meses nas montanhas do Himalaya,
enfrentando tempestades de neve e problemas com a altitude,
mas conseguiu superar todas as adversidades e produziu um filme realmente inesquecível.

Tashi Delek!

terça-feira, 6 de julho de 2010

Dalai Lama:. Homenagem aos 75 anos

O Dalai Lama celebra 75 anos hoje dia 6 de julho.

Esta data auspiciosa nos lembra de valores humanos tão importantes como a compaixão e a bondade amorosa.

Na visão da cultura Tibetana, Sua Santidade o Dalai Lama é considerado o Buda da Compaixão.



True compassion is not just an emotional response but a firm commitment founded on reason.
Therefore, a truly compassionate attitude towards others does not change even if they behave negatively.

~Dalai Lama

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Ghee Flavours!



Sou leitora assídua do ótimo blog da terapeuta ayurvédica americana Monica B.
Além de muito informativo, é muito criativo e divertido. Vale a pena ir lá dar uma conferida.

E foi lá que eu descobri esses Ghees ma-ra-vi-lho-sos! São algumas opções do Ghee que a gente já conhece só que com a adição de ervas e temperos, tudo orgânico e super saudável!
São incríveis para cozinhar e adicionar ainda mais sabor à sua comida.

Não esqueça, Ghee nutre todos os tecidos do corpo, sendo o melhor lubrificante para a sua saúde, é altamente sattwico e é o unico óleo que aumenta o seu agni
(fogo digestivo/metabolismo) e além de tudo refresca o dosha Pitta e lubrifica a secura de Vata.
Só os mais Kaphas é que devem usar com moderação.
Você encontra/compra no site da Pure Indian Foods.

Digestive :Ghee feito com canela, cardamomo e gengibre. Ótimo para melhorar a digestão.
Garlic : Ghee feito com alho. Vai bem com massas, vegetais, pães. Ajuda a remover ama (toxinas) do organismo.
Indian Dessert: Ghee feito com erva doce, cardamomo e açafrão. Bom para a digestão, gases e uma mente tranquila.
Italian Herbs: Ghee feito com orégano, alecrim e tomilho. Use em batatas assadas, vegetais grelhados ou em pães e massas.
Herbes de Provence: Ghee feito com tomilho, alecrim, manjericão, estragão e flores de lavanda. Perfeito para vegetais grelhados, sopas e sanduiches.
Niter Kebbeh: Ghee feito com cardamomo, canela, coentro, cominho, cúrcuma e nóz moscada. Delicioso no seu arroz ou em pratos indianos.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Pensamento do dia


I declare out loud to whoever wants to believe me:
I have no word in my mouth

that is not in your heart!


~Kabir

Imagem:.Claude Renault