quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Meditate Now


Como disse na última postagem, muitas pessoas me perguntam se existem regras para meditar, como iniciar e como fazer.
Como a meditação é um processo fluido e aberto, existem poucas regras absolutas.
Mesmo assim, aqui estão algumas técnicas e dicas que os meditadores têm utilizado através dos séculos.
  • Encontre um lugar calmo para meditar, onde não haja grandes distrações externas, preferivelmente um local sem televisão, rádio, crianças ou telefones. Se for possível, escolha um lugar onde você se sinta emocionalmente confortável e seguro, longe do estresse e da pressão. Se você não consegue olhar a mesa de trabalho sem pensar nas ansiedades profissionais, não tente meditar no escritório. Se possível crie um espaço sagrado num cantinho da sua casa, perto do seu altar, num lugar reservado para isso.
  • Tente manter a temperatura confortável e não quente demais. Você quer ficar fresco, calmo e alerta.
  • Decida com antecedência quanto tempo vai meditar e tente cumprir o planejado. No início medite menos de trinta minutos. Não force.
  • Use roupas confortáveis e largas. Você não quer um cinto apertado se tornando o foco de sua meditacão.
  • Quando se preparar para meditar, traga com você um sentido de moderação e de autodisciplina. Pense na sessão de meditação com reverência e respeito.
  • Quando se preparar para meditar, tente abandonar as imagens ou as coisas que o fazem pensar no que deseja ou no que sente falta. Isto nem sempre é fácil de fazer, portanto não desanime se não conseguir imediatamente. Até mestres treinados lamentaram certas imagens que visitaram suas mentes sem serem convidadas.
  • Durante as sessões de meditação pratique o contentamento. Nós somos muito afortunados por poder meditar; é um presente que damos a nós mesmos. Vamos cultivar a gratidão por aquilo que recebemos.
  • Faça o esforço de abandonar o pensamento discursivo e compulsivo e os pensamentos obsessivos. Perceba os pensamentos repetitivos e as histórias familiares que costuma contar a si mesmo. Considere-os "aquela fita velha de novo" e volte ao objeto da sua concentração.
  • Valorize a simplicidade e o silêncio da meditação. Nada está faltando. Usufrua a riqueza do momento presente.
  • A posição de pernas cruzadas não é indispensável. Você pode se sentar com a coluna ereta, em uma cadeira confortável.
  • Alongue o corpo e sente-se ereto. Não se incline para nenhum lado, nem tente se dobrar para frente ou para trás. Deixe os ombros caírem naturalmente.
  • Tente alinhar o nariz com o umbigo e mantenha a cabeça colocada de tal modo que os ouvidos estejam acima dos ombros. Mantenha a cabeça reta.
  • Deixe a língua solta na boca, com lábios e dentes levemente abertos.
  • Coloque as mãos no colo ou sobre os joelhos.
  • Mantenha os olhos fechados ou semicerrados.
  • Permita-se internamente experimentar espaço, conforto e clareza, deixando a mente se acomodar naturalmente em seu estado natural.
  • Comece inspirando pelo nariz, e a seguir expire, também pelo nariz. Concentre-se na sensação física do ar entrando e saindo do nariz. Simplesmente observe sua respiração, exatamente no ponto da sensação, e focalize apenas isso. Conecte-se com a experiência presente, mantendo contato entre a atenção concentrada da mente e a sensação de respirar.
  • Abandone qualquer coisa que ocorra durante a meditação - barulhos, coceira, lembranças agradáveis ou desagradáveis - e volte a se concentrar na respiração.
  • Mantenha o corpo quieto e a respiração livre a fácil.
  • Permaneça aberto, solto e pleno de aceitação.
  • Usufrua o momento.
Tendo essas dicas em mente, inicie hoje, agora!
E viva muito melhor.


Namastê!

Inspiração: Livro "O Despertar do Buda Interior de Lama Surya Das.

Um comentário:

claudia candelot disse...

No início, meditar não foi fácil pra mim... A inquietude do pensamento foi desaparecendo com a prática, mas também com disciplina e motivação (o bem estar era enoooorme!). Também percebi que, se fizesse um rápido alongamento antes, a meditação era muito melhor, porque as dores nas costas que às vezes surgiam, não apareciam mais.
Recebi a dica de meditar no mantra "So Ham" (So- inspiração; Ham - expiração); logo depois recebi instruções para concentrar na técnica de "Hong-So" (Hong - inspiração; So - expiração), de Yogananda...
Mas, sabe, Fê, percebo que medito melhor sem "técnicas", apenas concentrando na respiração e depois desconcentrando dela, entrando realmente em meditação, sentindo-me dissolvida na energia divina... Muito bom, né?
Adorei o post! Continue o próximo capítulo! :)
Beijocas