segunda-feira, 30 de março de 2009

A Árvore do Yoga


Começei este final de semana o curso de formação de Yoga com as professoras Greta Hill e Marcia de Luca. Foi um fim de semana intenso, profundo e de muitos novos conhecimentos. Para o início do curso, foi requerida a leitura do livro "A Árvore do Yoga" de B.K.S Iyengar que infelizmente está esgotado na editora. Mas por uma sincronicidade maravilhosa, eu tinha acabado de ganhar o tal livro de uma amiga. Ainda estou no meio do livro, saboreando cada página, mas resolvi pesquisar a respeito desse livro tão fácil de ler e tão importante para alunos, professores e interessados em Yoga.


Descobri no site do Pedro Kupfer essa resenha, e me identifiquei em todos os sentidos.
Espero que todos vocês tenham a oportunidade de ler esse livrinho tão especial.


Resenha do livro A Árvore do Ioga: Yoga Vrksha

A árvore, como protagonista-arquétipo da obra de Iyengar, revela muito a respeito de nós mesmos. “A árvore do ser, a árvore da vida, a árvore conselheira, terapeuta e amiga”.

O tema central propõe a responsabilidade pessoal de cada destino com sua própria árvore. “A Árvore do Ser precisa ser cuidada.” Através de palavras simples, claras e amigas, Iyengar nos leva pela mão e nos faz sentir que já é tempo de semearmos, de plantarmos, de nutrirmos e de sermos felizes. O leitor atento poderá descobrir uma parte da riqueza e da profundidade do Yoga, conduzindo-o da superfície da pele às profundezas da alma.

A verdadeira magia está dentro de cada um. Por sua própria experiência, o autor ensina como qualquer pessoa pode se beneficiar com a prática do Yoga, apoiando-se sempre em seus princípios básicos. É disso que essencialmente o livro trata: a volta ao básico, ao simples, à autêntica tradição do Yoga, fazendo referências aos antigos textos clássicos, tais como o Yoga Sutra de Patañjali, Hatha Yoga Pradipika, entre outros.

Considerável parte do livro é uma compilação de anotações e transcrições de aulas, palestras e sessões de perguntas e respostas ocorridas na Europa entre 1985 e 1987, servindo de complemento filosófico e prático para todo praticante de Yoga.

Iyengar, ou Guruji, como é carinhosamente conhecido por seus alunos, mestre indiano de Puna que criou um estilo de Hatha Yoga praticado mundialmente, leva-nos à mais profunda introspecção, a ouvir nosso interior através de longas permanências nas posturas e precisão no alinhamento. Além disso, é um filósofo prático e nos fala de sua experiência durante mais de 65 anos de ensino de Yoga.

Na primeira parte do livro, o mestre expõe seus pensamentos a respeito do Yoga e da vida, abordando os aspectos individuais e sociais do Yoga. O maior desafio, ensina, é ser fiel à própria evolução e desenvolvimento, sem abrir mão do caminho espiritual individual. Expõe como a prática do Yoga se relaciona com os diferentes estágios da jornada da vida: infância, amor e casamento, vida em família, velhice, morte e fé.

Num segundo momento, fala da árvore e de suas partes e mostra que, na disciplina dos asanas, todos os oito níveis do Yoga estão presentes. Yama cultiva os órgãos da ação para que possam agir com fins concretos, por isso são as raízes da árvore. Os princípios de nyama correspondem ao tronco da árvore. Os galhos da árvore são os asanas que irrigam todas as células do corpo, nutrindo-o com um abundante suprimento de sangue. As folhas estão relacionadas ao pranayama, a ciência da respiração. A casca refere-se a pratyahara, justamente o que acontece quando se está absorvido na execução de um asana e quando os músculos e as articulações se mantêm em repouso em suas posições; o corpo, os sentidos e a mente perdem a sua identidade, e a consciência brilha em toda a sua pureza. A seiva, que percorre os galhos e o tronco da árvore rumo à raiz, é dharana, concentração, ou atenção completa, quando nenhum pensamento invade a mente quando se executa um asana. A flor é dhyana, meditação, que, na execução das posturas, é unir o corpo, o cérebro, a mente, a inteligência, a consciência e a alma sem qualquer divisão. O fruto da árvore do Yoga é o samadhi, a vivência do uno e do absoluto, quando se mergulha tão profundamente no eu que esse mesmo eu é esquecido, quando a alma é sentida em todas e cada uma das partes do corpo.

Portanto, esclarece o mestre, é preciso tratar a terra, deixá-la fofa, livre das ervas daninhas, dar-lhe água e adubo para que a planta se desenvolva e cuidar de alimentá-la delicadamente para que a árvore cresça sadia e forte e dê frutos deliciosos. A essência espiritual da árvore está concentrada no suco de sua fruta, que é o ápice do seu desenvolvimento. Arrancamos o fruto e o saboreamos. O sabor pode ser sentido, mas não expresso em palavras.

Da mesma maneira, a árvore do Yoga precisa ser cuidada e acompanhada em seus diversos estágios. Só assim seus resultados poderão ser apreciados. Em sua prática, a árvore do Yoga nos conduz, camada por camada, ao alcance da experiência para desfrutarmos do fruto do Yoga, que é vislumbrar a alma, e todos nós temos direito a esse vislumbramento!

Na terceira parte da obra, Iyengar trata de temas, como o Yoga sob o ponto de vista médico, a arte da prudência, entre outros. Na quarta, trata da essência do ser e sua viagem de retorno à semente e compara o desenvolvimento espiritual humano com o crescimento de uma árvore, da semente até sua maturidade. Na quinta parte, aborda o Yoga no mundo.

A intenção do livro é oferecer ao visitante aberto, sensível e ativo a possibilidade de confrontação, de comunicação e de diálogo. É uma proposta que se abre à essência mais íntima de cada ser.

Mariana Heyde Rupp
Essa resenha foi originalmente publicada nos Cadernos de Yoga.

sexta-feira, 27 de março de 2009

You must...

Tenham um ótimo final de semana!

Namastê

quinta-feira, 26 de março de 2009

Inspiração:. Serpent Mandalas

A natureza é fonte de inspiração constante...




Há uma mandala para cada Chakra...







As gravuras da Serpent Mandalas, me levam para um mundo de fantasias.
Muita graciosidade e sensibilidade nesses desenhos tão inspiradores.

Enjoy!

terça-feira, 24 de março de 2009

Bebida Ayurvédica:.Lassi


O Lassi é uma bebida tradicional na Índia e pode ser feita de diversas maneiras. Na visão do Ayurveda ela ajuda na digestão e equilibra os três doshas. Pode ser doce ou salgado e tem como base iogurte e água. O iogurte quando tomado sozinho, pode criar toxinas ou ama e entupir os srotas ou canais, mas misturado com a água e as especiarias pode ser tomado tranquilamente.

Abaixo algumas receitinhas* fáceis de fazer de acordo com os três doshas:



Vata Lassi

Ingredientes:
1/2 copo de queijo cottage
1/2 copo de iogurte (de preferência caseiro)
3/4 de copo de água
1 colher (sobremesa) de cominho em pó
1 colher (sopa) de mel ou 3 tâmaras grandes picadas
1/2 colher (chá) de suco de limão

Modo de fazer:
Bata no liquidificador o queijo, o iogurte e a água.
Adicione os demais ingredientes e bata novamente.



Pitta Lassi

Ingredientes:
1/2 copo de queijo cottage
1/2 copo de iogurte (de preferência caseiro)
3/4 copos de água
2 colheres (chá) de coentro em pó
3 tâmaras grandes picadas

Modo de fazer:
Bata tudo no liquidificador e sirva.



**Kapha Lassi

Ingredientes:
1/2 copo de iogurte (de preferência caseiro)
1 copo de água
2 colheres (chá) de mel
1/2 colher (chá) de canela
1/2 colher (chá) de gengibre em pó
1/2 colher (chá) de pimenta do reino
1/2 colher (chá) de cominho
3 favas de cardamomo
Modo de fazer:
Bata tudo no liquidificador e sirva.


**Quem for Kapha, evite o excesso de leite e seus derivados.


*As receitas acima foram criadas por Sri Govinda, sacerdote brâmane, professor de atividades védicas e filosofia Vaishnava e por sua esposa, Lakshmi Kantha.

segunda-feira, 23 de março de 2009

Patience


What you need is patience.
In the heart of your patience you will discover peace-blooms and satisfaction-blossoms.


~ Sri Chinmoy

sexta-feira, 20 de março de 2009

ABC Ayurvédico dos Alimentos:. Legumes

LEGUMES


PROPRIEDADES ENERGÉTICAS E GERAIS
Os legumes são geralmente agradáveis e com um sabor não muito forte, uma
energia razoavelmente equilibrada e um efeito pós-digestivo doce. Eles constituem um
grupo mais diverso que as frutas e têm numerosas sub-categorias importantes. Eles são
geralmente sáttvicos, mas menos que as frutas.

Os LEGUMES de RAÍZ têm normalmente uma energia mais pesada e nutritiva.
Eles são, por isto, melhores para Vata mas mais propensos a agravar Kapha.

Os LEGUMES de FOLHAS ou VERDES são geralmente mais leves e mais
secos, normalmente melhores para Kapha e Pitta, mas mais propensos a agravar Vata.
Eles possuem frequentemente propriedades purificadoras do sangue.
A família das COUVES encontra-se nesta categoria.

Os LEGUMES PICANTES como as cebolas ou pimentas são melhores para
Vata e Kapha, mas tendem a agravar Pitta pela sua natureza quente. Eles têm
propriedades rajásicas ou irritantes.

As SOLANÁCEAS, como os tomates ou batatas, podem provocar alergias
alimentares nos tipos Vata e Pitta, embora nem sempre sejam desaconselhadas para eles.
Esta propriedade é reduzida ao serem cozidos.

LEGUMES DIURÉTICOS
Alguns legumes são diuréticos ou têm uma natureza secante sendo, por isto,
particularmente bons para Kapha. Estes incluem as cenouras, o aipo, a alface,
salsa, folhas de coentros, agriões, aspargos, brócolis e batatas.

LEGUMES NUTRITIVOS
Muitos legumes, como os legumes adstringentes ou as folhas, contêm vitaminas
e minerais importantes mas não contêm fortes propriedades construtoras, visto que têm
uma natureza bastante leve. O mesmo se aplica para os brotos de alfalfa, a um ponto
até mais elevado. Os legumes mais construtivos com grandes valores nutritivos são as
raízes. Os legumes nutritivos, geralmente bons para Vata ou condições deficientes,
são as batatas, batatas doces e cenouras.

PREPARAÇÃO
Os legumes crus são melhores para Pitta, exceto se o seu Agni estiver baixo.
Cozidos são melhores para Vata e Kapha. Os sucos de legumes têm uma natureza
mais fria, sobretudo se forem tomados frios, são mais leves e podem agravar Vata.

Os legumes cozidos com óleos e especiarias são melhores para Vata.
Os legumes fritos são mais propensos a agravar Pitta e Kapha.
O uso de sal nos legumes é melhor para Vata.
Os pickles são melhores para Vata mas podem agravar Pitta e Kapha.
Os legumes enlatados têm uma natureza mais tamásica e tendem a agravar todos os humores.
Os legumes congelados são melhores que os enlatados mas também perdem energia.

COMBINAÇÕES
Como os legumes têm um sabor bastante suave, eles combinam-se bem com outros alimentos, exceto as frutas e outros açúcares simples.
A maioria dos legumes leves cozidos, como a família das couves, associam-se bem com cereais integrais como o arroz e a massa, que também funcionam como antídoto.

MOMENTO
A maioria dos legumes são melhores na sua época. Os legumes verdes ou com
folhas são melhores na Primavera e Verão. As raízes são melhores no Outono e Inverno.
Os legumes crus são melhores no final da Primavera e Verão e os legumes cozidos no Inverno.

ANTÍDOTO
A natureza fria dos legumes frios pode ser neutralizada com especiarias como o gengibre, alho e cebolas, assim como o vinagre, alho, óleo e molhos picantes.
A natureza seca dos legumes leves como a família das couves pode ser neutralizada pelo cozimento em óleo, manteiga ou ghee.

quinta-feira, 19 de março de 2009

Inspiração:. Suzani

Fica lindo na cama...

...e em poltronas e sofás!

Olha a variedade de tons...


Misturar tecidos com texturas diferentes é uma idéia linda!


Almofadas como essa enfeitam tanto o ambiente...


Adoro essa cadeira forrada que já virou um clássico.


E até de mesinha de centro fica incrível!

Sou louca por esse tipo de tecido, chamado Suzani. São muitas variedades e cores, e podem ser usados de muitos jeitos na decoração da casa. Quero tanto um para a minha nova casinha!


Abaixo a explicação que encontrei na Wikipédia:


Suzani é um tecido feito desde a antiguidade na Asia Central, mais precisamente no Cazaquistão, Uzbequistão e Turcomenistão. A origem do nome Suzani vem da língua Persa e significa **Beleza Tribal ou Beleza que vem da Tribo.


** Lindo não?

quarta-feira, 18 de março de 2009

Inspiração:.Yummy Goods


Quando descobri o blog Yummy Goods, fiquei absolutamente encantada.
A artista Melissa Averinos coloca em seu blog todas as suas inspirações, suas criações e alguns detalhes de seu lindo estúdio.


Os tecidos que ela cria, são MARAVILHOSOS!

Ganesha é uma de suas inspirações...

Dálias coloridas.. as minhas favoritas!

Desenhos e mensagens positivas no seu diário...
True Love... always

Respire...

Acho lindo a inocência quase infantil dos desenhos...

Não tenha medo de ser VOCÊ, acredite!

Prateleiras cheias de detalhes.
Adoro a ferradura da sorte...

...e a mistura de cores que ela faz.
Essa gravura indiana não é incrível?!

segunda-feira, 16 de março de 2009

My Ego and My Soul


My ego needs,
My soul has.
My ego tries,
My soul does.
My ego knows the problem that is,
My soul becomes the answer that is.
I am not alone;
Within my unlit self
My ego, my naked death.
I am not alone;
Within my snow-white heart
My soul and my Spirit's flame.


~ Sri Chinmoy

sexta-feira, 13 de março de 2009

Inspiração:. Lindsay Kristine Art









O trabalho da artista Lindsay Kristine é lindo.
Gestos suaves com o pincél formam essas delicadas gravuras.

Namastê!

quinta-feira, 12 de março de 2009

Receitinhas Ayurvédicas de Saúde


Para o Ayurveda, o princípio básico de saúde está ligado ao agni. O agni é o nosso fogo digestivo, é ele que digere os alimentos e os transforma em nutrientes para o corpo, mas é ele também que digere as nossas emoções, estímulos e sensações. Então, é importante que nossa alimentação e nossas emoções estejam equilibradas para se ter saúde. Tudo o que captamos com os nossos cinco sentidos deve ser metabolizado, senão vira ama ou toxinas geradas pelo excesso de alimentos, pensamentos e emoções. Para se ter uma boa saúde também é essencial que as horas de sono estejam em dia e nunca comer sem estar com fome.

Para manter o agni equilibrado, existem umas receitinhas super fáceis de fazer. A única coisa necessária é uma boa dose de disciplina, item fundamental no Ayurveda e na vida.


Receitinha 1: Água morna

Ingerir pela manhã (entre 6 e 10 da manhã que é a hora Kapha do dia) em jejum, um copo de água morna com gotas de limão e esperar meia hora antes de comer. Para quem for Vata colocar uma pitada de sal, para os tipos Kapha um pouquinho de mel e para quem for Pitta só o limão mesmo. A água morna ajuda a digerir as toxinas (ama) do dia anterior e que não foram metabolizadas durante a noite. E o limão, o sal e o mel estimulam o agni, que costuma estar fraco pela manhã.


Receitinha 2: Gengibre/Sal e Limão

Antes das principais refeições, é bom estimular o agni para uma digestão completa.
Trinta minutinhos antes do almoço e jantar, corte uma fatia fina de gengibre, pingue algumas gotinhas de limão e coloque uma pitada de sal e mastigue. É bom também para quem está gripado, ou com excesso de muco (Kapha). Pessoas com irritação no estômago (Pitta), devem evitar de fazer todos os dias.

Faça disso uma rotina diária, e perceba uma maior vitalidade e bem estar na sua vida!


Namastê!

quarta-feira, 11 de março de 2009

Inspiração:.An Angel At My Table

Quando descobri a loja "An Angel At My Table" no blog da minha amiga Kika Reichert, fiquei encantada!
É tudo lindo e super colorido...

Esse elefantinho cheio de brilhos é tão delicado...

... muito AMOR, sempre!

Luminárias e espelhos com inspiração marroquina...

...e guirlanda de flores iluminadas.

Budas de todas as cores...

...velas de todos os tipos...

tem flores de lótus...

e mini flores

.. e todas com muito estilo...
AMO essa embalagem!!

Ah ia ficar tão lindo na minha casinha nova...